segunda-feira, 4 de setembro de 2017

1º Encontro Moviafro de Mulheres Negras

Foi realizado no ultimo sábado(26) o 1º Encontro Moviafro de Mulheres Negras. O evento idealizado pelo Grupo Cultural Moviafro e patrocinado pela Associação dos Artesãos do Mercado de Arte Popular - ARTMAP, reuniu um publico flutuante de cerca de 500 pessoas em sua maioria mulheres, que ouviram, interagiram e se emocionaram com relatos de 06 convidadas que formaram a mesa Tereza de Benguela.
O tema principal desse encontro foi o empoderamento da mulher negra, passando pela estética até as conquistas em todos os campos e também o enfrentamento da mulher negra diante das dificuldades em ser mulher e negra.
Julianne Silva, formanda em pedagogia e diretora do Grupo Cultural Moviafro iniciou o encontro com uma dinâmica de abertura, interagindo diretamente com a plateia levando a todos a refletirem sobre as varias formas de empoderamento da mulher negra. Em seguida Ivannide Santa Barbara, professora e uma das principais militantes do movimento negro de Feira de Santana, deu continuidade destacando os avanços da mulher negra desde a década de 1970 até agora, relatando as dificuldades que ela mesmo passou ao longo desses anos e as suas conquistas. Em seguida a mestra em historia Railma Santos, também utilizou seu tempo na roda de conversa para reforçar a necessidade de mais atenção para as comunidades afrodescendentes e o fortalecimento de ações que dignificam a mulher negra dando a elas maior visibilidade. Flavia Santana, pedagoga e trançadeira, Hely Pedreira, pedagoga e Vivian Nery também pedagoga e professora da rede municipal de ensino enfatizaram as questões de feminicidio, intolerância sexual e crimes contra as comunidades quilombolas. A intolerância religiosa também foi destaque neste encontro que apesar do tema ser voltado ao empoderamento da mulher negra houve uma serie de debates sobre outros assuntos que direta ou indiretamente estão ligados.

Durante o 1º Encontro Moviafro de Mulheres Negras, também foram montados diversos stands onde aconteceram oficinas de tranças afro, turbantes, maquiagem para pele preta e exposições de acessórios afro e cosméticos artesanais.
Segundo o coordenador geral do Moviafro Val Conceição, existe uma grande necessidade de realizar mais eventos desse nível para reduzir as dificuldades que as mulheres negras passam para serem aceitas em igualdade de condições nos mais diversos seguimentos da sociedade. Para finalizar o Encontro Moviafro de Mulheres Negras, O Grupo Afro Meji e o Grupo de Samba de Roda Arrastão do Palitó fizeram a parte cultural do evento.

Nota de Repudio

O Grupo Cultural Moviafro vem a público, por meio desta nota, manifestar seu total repúdio e dizer da sua preocupação com relação aos comentários que foram publicados recentemente no site do Programa Acorda Cidade. Em matéria assinada pela jornalista Andréa Trindade sobre a apresentação da rapper paranaense Karol Conca que provavelmente acontecerá aqui em Feira de Santana. É  inadmissível que ainda tenhamos que conviver com pessoas que se comportam dessa forma nos dias de hoje, o que nos assegura que ainda existe racismo e preconceito sim. nós do MOVIAFRO isentamos o Programa Acorda Cidade e a jornalista Andréa Trindade, pois sabemos que não compactuam com tais atos. Entretanto, passaremos a ficar mais atentos em relação a isso porque recentemente realizamos um evento sobre o empoderamento da mulher negra que teve uma excelente recursão graças a cobertura desse programa e vimos alguns comentários racistas, preconceituosos e machistas. Lamentamos que nenhum meio de comunicação tenham ferramentas para impedir esse tipo de comentários, mas o Programa Acorda Cidade retirou imediatamente do seu site tais absurdos.

Estes fatos ocorridos são profundamente lamentáveis, e chamam a atenção para a necessidade urgente de discutirmos mais profundamente o racismo e toda e qualquer forma de discriminação, além da realização de atividades educativas, sem perder de vista os processos e possíveis desdobramentos punitivos. Não toleramos o questionamento de identidade étnica, sexual, de gênero, religiosa ou de qualquer natureza.
Dessa forma, o GRUPO CULTURAL MOVIAFRO com este ato, se solidariza com todos que têm sofrido algum tipo de constrangimento e discriminação e reafirma o compromisso com a promoção da igualdade étnico-racial, de gênero, sexual, religiosa, repudiando toda e qualquer manifestação de preconceito para com negras, negros, indígenas, quilombolas, mulheres, homossexuais e todos os grupos sociais historicamente discriminados nesse pais.