quarta-feira, 17 de outubro de 2018

Mãe Stella de Oxóssi, uma vida dedicada ao axé.

O envolvimento em projetos e atividades fez o tempo passar mais rápido. Com a mente em estado permanente de ebulição, aos 93 anos completados em maio, a ialorixá do Ilê Axé Opô Afonjá, Maria Stella Azevedo Santos, não deixa de fazer planos e de viabilizá-los.
"É gostoso viver. Nasci com cinco meses e meio. Estava com pressa de vir ao mundo. Às vezes me pergunto se vou fazer essa idade mesmo", brinca Mãe Stella de Oxóssi.
Hoje, o dois de maio iniciou ao som de clarins e alvorada de fogos na entrada da casa da sacerdotisa. Como o sábado é dedicado a Oxum e a Iemanjá, foi com elas que Mãe Stela começou o dia. "Todos os dias, meu primeiro contato é com o sagrado, ajoelhada e agradecendo", contou.
Em seguida, o café da manhã ocorre na Casa de Xangô, em tom de confraternização como as demais refeições ao longo do dia. O encerramento dos festejos foi na área externa do templo, a partir das 19h, com música, coquetel e mais homenagens para a suma sacerdotisa do Afonjá.
Como presente, pede para seguir sua missão. "Desejo deixar uma obra interessante e um lugar que sirva de parâmetro de alegria e equilíbrio para quem procure. Anseio que as pessoas se respeitem. A bondade e a verdade são obrigações de toda a humanidade", afirma a líder espiritual.

Trajetória:
O espírito de liderança aflorou ainda na infância. "Adorava a hora do recreio. Era uma roça e eu sempre puxava as brincadeiras com meus amigos", contou.
A habilidade para cuidar de vidas também não tardou. Mãe Stella se formou em enfermagem pela Escola Baiana de Medicina, área em que se aposentou - e ampliou o sentido desse cuidado ao se tornar ialorixá em 1976. É a quinta na sucessão do terreiro já comandado por Eugênia Anna dos Santos (Mãe Aninha - fundadora em 1910), Mãe Dadá, Mãe Senhora e Mãe Ondina.
Iniciada por mãe Senhora, aos 13 anos, Mãe Stella sempre atuou na preservação da religião e contra o sincretismo. Em 1983, liderou um manifesto em defesa do fim da prática.
"Hoje minha dedicação é exclusiva ao cuidado de vidas e das divindades. Tenho um santo maravilhoso. Oxóssi tinha que ser meu pai e eu nasci para ser filha dele. Tem gente que vem aqui, segura na minha mão, pede um abraço e fico feliz em causar esse impacto", disse.
O retorno também é garantido pelos filhos e filhas de santo que se revezam no zelo com a mãe. "Não sei o que é desgosto. As pessoas me tratam bem e se preocupam muito comigo".
Além do cuidado mútuo, o dia a dia na casa localizada no território sagrado não tem rotina. "Aqui ninguém morre de tédio. Aprendemos e brincamos muito com ela", contou Graziela Domini Peixoto, filha de santo do Afonjá. A explicação está na dijina (nome sagrado) da ialorixá que é Odé Kayodê (Caçador da Alegria).
"É uma emoção a cada meia hora", brinca Mãe Stella. "Gosto de conversar, pois aprendo muito com pessoas de todas as idades. É com os mais jovens que me atualizo", explica Mãe Stella.
As madrugadas também são produtivas. "Ela costuma acordar e lembrar de mitos, músicas, faz traduções. O gravador está sempre pronto", disse Graziela.
Foi em uma situação como essa que surgiu a música-tema do mais novo sonho de Mãe Stella. Desde junho deste ano, o Afonjá abriga o Brincadeira tem hora. Um domingo por mês, crianças e adultos têm um dia de recreação. "A ideia não é fazer as crianças brincarem como antes. É apresentar as brincadeiras e contar a história e a simbologia delas", afirmou Mãe Stella.
Ela citou a cama de gato, que consiste em desfazer armações de um barbante entre dois participantes. "Com ela se aprende que o seu problema pode ser resolvido com a ajuda do outro". Ainda este ano também será lançado o DVD Folha ENcantada, baseado no livro  O que as Folhas Cantam (para quem canta folha), de 2014.
A postura ao longo da história de vida da sacerdotisa expõe mais uma característica do orixá ao qual foi consagrada: como caçadora que é, vê bem longe e vai somando um vasto legado.

Religiosa é a quinta na sucessão do terreiro Ilê Axé Opô Afonjá.

Extraído e atualizado da publicação da Ag. A TARDE.


terça-feira, 11 de setembro de 2018

2º Concurso Mister Afro de Feira de Santana 2018

Mesmo diante de muitos obstáculos, a Associação Cultural Moviafro realizará no mês de novembro a 2ª Edição do Concurso Mister Afro de Feira de Santana. Com um bom número de inscritos, o Mister Afro 2018 mais uma vez oferece a oportunidade para homens negros de Feira de Santana e região se empoderarem através do conhecimento de questões afrodescendentes e da vivência em oficinas específicas que serão realizadas durante o período de preparação. 
O número de inscritos não atingiu a meta estabelecida pelos organizadores, mas serve como indicador de que ainda há muito a ser feito para conscientizar o homem negro, sobretudo no interior, da sua importância e do seu lugar na sociedade. Segundo o coordenador geral do concurso Val  Conceição, mesmo que a quantidade de inscritos esse ano tenha superado a do ano passado, não alcançou o patamar que desejávamos, o que só aumenta a nossa responsabilidade, pois a população negra masculina de Feira de Santana ainda não consegue se desvencilhar de antigos paradigmas impostos por uma sociedade eurocêntrica e que ainda hoje, estão impregnados.
Ainda assim, podemos comemorar por estarmos consolidando também o Mister Afro Feira de Santana como referência no empoderamento masculino na nossa região, pois os 43 candidatos inscritos para a edição de 2018, serão agentes multiplicadores desse projeto. Algumas mudanças importantes serão realizadas nessa segunda edição do Mister Afro de Feira de Santana como por exemplo:
Os candidatos passarão por duas avaliações escritas que serão eliminatórias, ao contrário do ano anterior onde a pontuação era somada juntamente com as notas dos desfiles eliminatórios. Serão aplicadas também avaliações de oratória com objetivo de proporcionar uma melhor forma de expressão aos candidatos que também será eliminatória e a principal mudança será na quantidade de finalistas. Serão apenas oito ao invés de 12 como no ano anterior e haverá premiação em dinheiro apenas para o primeiro colocado, o segundo e terceiro colocados receberão vários brindes como premiação, bem como o Mister Simpatia. 
Tudo isso, pautado na ideia de que os concursos realizados pelo Moviafro não são apenas um concurso de beleza e sim algo que vai muito além disso. A coordenadora pedagógica do Moviafro Julianne Silva, afirma que essas mudanças só tendem a melhorar os resultados pois segundo ela, é importante que aquele que venha ser o representante do homem negro feirense esteja extremamente preparado em todos os sentidos além de precisar estar extremamente engajado no que diz respeito as questões raciais.
Para assegurar a confiabilidade e a isenção nos resultados, a Associação Cultural Moviafro estará contando com o apoio de vários profissionais das mais importantes áreas como: Sociologia, História, Filosofia, Direito, Saúde e Jornalismo, além de três africanos um da Nigéria, um do Senegal e outro de Moçambique que realizarão rodas de conversa temáticas com os candidatos. 

quinta-feira, 9 de agosto de 2018

Miss Afro 2018 fará parte de côrte africana em evento tradicional de Salvador

No dia 2 de setembro (domingo),a partir das 13h, todos os caminhos nos levarão para o centro histórico de Salvador onde pelo 9º ano consecutivo será realizada a "Feijhôada" da Negra Jhô. Evento tradicional que para muitos, abre o verão da Bahia. A praça Teresa Batista (Pelourinho) será mais uma vez o palco para diversas apresentações culturais com artistas e grupos renomados como: Banda Didá, Samba Trator, Catadinho do Samba, Adão Negro, Samba Chinelo de Couro e participações especiais de Aloizio Menezes, Portela Açúcar, Tonho Matéria, Cica Rabelo, Libú do Reggae, Igbonan Rocha e Dj Fabio Lima. 
Que com certeza levarão alegria e descontração aos presentes que degustarão uma deliciosa feijoada feita pelas mãos mágicas da Condessa do Ébano, Negra Jhô.  E como de costume nossa Condessa sai do seu salão com a sua côrte afro, formada por bailarinos, que circulam pelas ruas históricas do pelourinho, saudando os ancestrais ao ritmo da Banda Didá  e acompanhada por todos que apreciam a cultura afrodescendente.
Entre os bailarinos afro estará presente pela primeira vez, a Miss Afro Feira de Santana 2018, Vandriane Ribeiro que foi eleita a representante afro feirense em concurso realizado com a participação de 123 candidatas.



Para a coordenação do Coletivo Moviafro, será uma honra participar desse momento tão importante da cultura negra da Bahia, isso representa que o trabalho realizado pelo Moviafro vem sendo reconhecido principalmente pela seriedade e comprometimento com as causas do povo negro. A Feijhôada é sem sombra de dúvidas uma mistura de emoções que celebram a diversidade cultural e religiosa do nosso estado.

Serviço:

"FeiJhôada" 
Local: Praça Tereza Batista - Pelourinho
Atrações: Banda Didá, Samba Trator, Catadinho do Samba, Adão Negro, Samba Chinelo de Couro e participações especiais de Aloizio Menezes, Portela Açúcar, Tonho Matéria, Cica Rabelo, Libú do Reggae, Igbonan Rocha e Dj Fabio Lima.
Data: 02 de Setembro de 2018, domingo, às 13h
Valor Promocional Camisa: R$ 20
Valor Promocional Ticket Feijoada: R$ 20
Informações: 071 3321-5710 / 99156-4580
Instagran: @feijhoada_nj


quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Moviafro participa de oficina de turismo étnico em Feira de Santana.

Na tarde da última terça-feira (07/08), a Associação Cultural Moviafro representada pelo seu presidente Val Conceição e por uma das suas entidades filiadas Afoxé Filhos da Luz que tem a frente o professor Antônio Anunciação, além de Hely Pedreira(Pedagoga) e Adão Ferreira(Turbanista), ambos membros do Coletivo Moviafro, participaram da " Oficina de empreendedorismo étnico afro" para a Formação da Rede de Turismo Étnico Afro de Feira de Santana, realizada através de uma ação conjunta entre a Secretaria de Trabalho, Turismo e Desenvolvimento Econômico por meio do Departamento de Turismo e a Secretaria de Turismo do Estado.
O objetivo dessa rede é a implantação de um roteiro de turismo étnico afro aqui em Feira de Santana que deverá iniciar as suas atividades a partir de Janeiro de 2019. Terreiros de Candomblé, Centros de Umbanda, Grupos de Capoeira, Produtores Culturais e  Artesãos, bem como Grupos Afros a exemplo de Afoxés e Blocos Afros são o público alvo dessa iniciativa. 
Segundo Adão Ferreira, que a cerca de quatro anos confecciona, divulga e comercializa os mais variados tipos de turbantes, participando inclusive de várias atividades culturais, será uma excelente oportunidade de divulgar ainda mais o seu trabalho já que Feira de Santana ainda não tem uma tradição nesse tipo de comércio.
Já Hely Pedreira que além de pedagoga e uma importantíssima ativista cultural, a formação desse roteiro em Feira servirá para dar maior visibilidade as expressões afrodescendentes que é bastante forte e diversificada na nossa cidade. Existem muitos espaços onde a cultura afro pulsa mais forte aqui em Feira de Santana que não têm a devida visibilidade. Acrescentou a pedagoga.
Foto: Acorda Cidade
Para Val Conceição, a participação do Moviafro nessas oficinas e também na rede, é de uma importância muito significativa pois um dos objetivos do coletivo é de exatamente oferecer ferramentas para que as entidades filiadas desenvolvam suas atividades de forma a se auto sustentar. Ainda segundo o presidente, é importante que todas as entidades filiadas ao Moviafro, participem para que todas possam estar presentes nessa rede desenvolvendo suas atividades de forma organizada e rentável.
Graça Cordeiro, diretora do Departamento de Turismo do município, também enfatiza a importância dessas oficinas para os movimentos sociais ligados ao movimento negro pois irá qualifica-los e inseri-los no comércio étnico afro no nosso município.

Fotos: Washington Nery

quarta-feira, 25 de julho de 2018

Mulher Preta.


Por Justinno Júnior

Mulher Preta

Sem propriedades para sentir tudo que perpassa a mulher preta, nessa nossa sociedade machista, sexista, racista.
Desconstruindo reproduções e pensamentos errôneos, para poder entender e discutir, o gritante e necessário assunto: Sociedade x Mulher Preta
Faz necessário eu quanto homem preto, mesmo diante de varias demandas opressoras e dificuldades cotidianas, devo reconhecer meus privilégios de homem.
Por exemplo, pelo simples fato do gênero eu (homem) não corro o risco saindo sozinho de ser assediado e o assedio virar estupro e o estupro virar assassinato e a vitima virar culpada.
Pela roupa curta vestida, por ter bebido e assim por diante, em caso de uma interrupção de gravidez ponho minha vida em risco.  
Mas vamos à luta, ou a continuidade dela...
Princesas e Rainhas lindas, quase nunca vistas, desvalorizadas, porém sempre usadas e desprezadas, muitas vezes vitima de um branqueamento forçado.
Alisadas para serem aceitas em escolas, empregos, relacionamentos (abusivos) e na sociedade de maneira geral
Negando as próprias raízes por terem ouvido que as mesmas eram feias, amenizando o preto com a morena, mais clara, canela, café com leite, mulata chocolate.



Na verdade nunca foi ruim ou duro sempre foi crespo e os cachos são relativos...
Procedimentos cirúrgicos das que não representam, em busca dos traços europeus nem de longe as tornam mais lindas, pois os lábios carnudos e o nariz identidade é de uma beleza que vai alem do afrodisíaco.
O seu gênero somado a fenótipo mais estético infelizmente tem sido relevante na hora do emprego, salário, casamento, sexo, parto, violência (verbal, física, psicológica sexual) feminicídio.
Entretanto resista e espalhe essa beleza preta, mesmo que a Tv não saiba, mesmo que a indústria de cosmético não saiba.
São sim rainhas e princesas.....

JUST PRETO

sábado, 21 de julho de 2018

Nelson Mandela

Na última quarta-feira dessa semana dia 18 de julho de 2018, a África do sul esteve em festa. Dia de comemorar o centenário do grande líder Nelson Mandela. 
Se ele estivesse vivo estaria levando adiante a sua luta por direitos e igualdade para seu povo!!!
Parabéns Madiba!!!! 
Que sua ancestralidade nunca desapareça para aqueles que também levantam a mesma bandeira que você levantou no Ayié!!!! 

Por: Ogã Oyá Tocy